domingo, 30 de outubro de 2011

Literacia para Todos




As crianças e jovens com multideficiência apresentam inúmeras dificuldades em desenvolver atividades significativas para a vida. Entre essas atividades encontram-se as que se categorizam como atividades de lazer. Grandes limitações no âmbito da comunicação e da mobilidade condicionam a participação em atividades que, para qualquer pessoa, representam momentos significativos de enriquecimento pessoal, de conhecimento do mundo e de convívio com os outros.
Espera-se que a escola seja um pólo difusor de informação, conhecimento e hábitos de leitura. As bibliotecas escolares têm tido um papel fundamental no desenvolvimento de competências de literacia.
A leitura, o acesso ao livro ou à informação digital, a literacia é hoje um direito de todas as crianças e jovens. Entende-se por literacia a capacidade de cada indivíduo compreender e usar a informação escrita contida em vários materiais impressos ou digitais, de modo a atingir os seus objetivos, a desenvolver os seus próprios conhecimentos e potencialidades e a participar ativamente na sociedade.
Então colocam-se algumas questões muito pertinentes: Uma vez que desde 2008 a inclusão das crianças e jovens com multideficiência nas escolas é uma realidade, como podem eles aceder às competências na área da literacia? Como será possível deixarem de ser ouvintes passivos? Até que ponto a escola pode criar condições para que a informação chegue a este grupo tão singular?

Tem sido constatado que as crianças e jovens com multideficiência realizam aprendizagens mais significativas se as competências na área da literacia forem trabalhadas de forma sistemática, com materiais adaptados às suas necessidades (tecnologias de apoio) e com a ajuda de uma outra pessoa. Segundo Fenlon, McNabb & Pidlypchack, (2010) o uso de tecnologias de apoio à comunicação por crianças com incapacidades graves tem sido documentado, em algumas experiências, como uma estratégia útil que as pode ajudar a iniciar o brincar com pares em salas de aula, efetuar escolhas, comunicar usando símbolos pictográficos para a comunicação (SPC).


 


Cabe aos docentes de educação especial o desenvolvimento das competências na área da literacia dos seus alunos através da criação e utilização do material necessário para isso. Neste momento os materiais que se utilizam são livros digitais (ou em papel) adaptados (com SPC e com Língua Gestual Portuguesa em vídeo e áudio) e livros multissensoriais. Os formatos apresentados são muito diversos porque se procura chegar a uma população de alunos muito heterogénea que necessita de formas muito individualizadas de apoio para chegar à informação. Segundo Nunes, (2011) Existem livros táteis, caixas de histórias (book box), histórias multissensoriais, sacos e sacolas com histórias (book bag), adaptação de livros com texturas, adaptação da história com símbolos pictográficos à comunicação (SPC), livros digitais, etc.



Literatura adaptada faz todo o sentido para esta população específica de alunos também por outras razões não menos importantes. Na verdade seria muito interessante se estes alunos, tal como os restantes, sentissem verdadeiro prazer dos momentos de leitura, participassem efetivamente na leitura e introduzissem no seu dia-a-dia esta atividade de lazer. Para além deste facto e numa visão ainda mais exigente para todos nós, professores e educadores, seria muito interessante conseguirmos que estes alunos com multideficiência pudessem exercer do seu direito de acesso à informação (impressa ou digital) e até conseguissem aumentar a sua participação no conto da história. Segundo Fenlon, McNabb & Pidlypchack (2010) as experiências de literacia devem integrar a rotina diária das crianças/jovens com multideficiência, para que se tornem momentos previsíveis. Essas experiências devem ser significativas para que elas possam envolver-se nessas atividades e desenvolver algumas competências. Estas crianças podem, por exemplo, participar no virar das páginas ou então participar na história recorrendo a um digitalizador da fala com o qual podem responder a questões ou repetir passos da história.



Tendo em consideração a importância de ampliar as experiências de vida das crianças e jovens com multideficiência e reconhecendo a responsabilidade que a escola tem e proporcionar os meios para que os direitos destes alunos sejam reconhecidos e exercidos, a Biblioteca Escolar e a Unidade de Apoio Especializado para a Educação de Alunos com Multideficiência da EB de Santa Catarina uniram esforços para concretizar o Projecto “Literacia sem Barreiras”. Este Projeto, ainda em fase de aprovação, tem três objetivos primordiais: criar vários tipos de livros adaptados, promover a literacia entre os alunos com deficiência/multideficiência e mobilizar toda a comunidade para o reconhecimento da literatura adaptada e literacia para deficientes. Porque a literacia não tem barreiras.

Teresa Miguel
 UAEEAM - Unidade de Apoio Especializado
para a Educação de Alunos com Multideficiência

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

E a grande vencedora do Concurso de Castelos 2011 é…

A grande vencedora do concurso de maquetas de castelos é a Margarida Costa, da Turma A do quinto ano. Recorrendo à reciclagem de materiais diversos, com destaque para as garrafas de plástico, cartão e esferovite, conseguiu erguer um castelo de dimensão considerável. Este trabalho conseguiu recolher a simpatia de muitos alunos da nossa escola que reconheceram o empenho da Margarida atribuindo-lhe os seus votos.

O nosso agradecimento aos autores das mais de seis dezenas de castelos que animaram a exposição deste ano. Os vossos trabalhos revelaram um grande espírito imaginativo, conseguindo recolher o reconhecimento de todos quanto puderam visitar a exibição. Queremos também agradecer de forma especial aos pais e encarregados de educação que durante a semana e meia em que os castelos estiveram expostos, a visitaram e puderam ver os trabalhos elaborados pelos nossos alunos. E já agora, pela ajuda a transportar alguns deles, visto que, o entusiasmo leva ao aparecimento de castelos enormes que necessitam de mais de uma pessoa para serem transportados. Os nossos alunos gostam de ver os seus pais, familiares e amigos envolvidos nos trabalhos que realizam.

Pelo seu trabalho, a Margarida irá receber um prémio, atribuído em colaboração entre o departamento de Ciências Sociais e Humanas e a Biblioteca Escolar. E sendo este um prémio escolar, nada melhor do que livros.

Esperamos que a iniciativa continue a recolher o vosso agrado e que possam poder continuar a participar com os vossos trabalhos.
Luís Sousa

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Concurso de Postais ComeniusWeek 2011 (início da votação)









Está a decorrer até ao dia 28 de outubro, a votação online no âmbito do concurso de postais lançado por altura da ComeniusWeek2011. Relembramos que esta foi uma iniciativa que teve lugar simultaneamente em todos os países europeus que regularmente participam em atividades Comenius, e, na qual a nossa escola participou. Entre as várias atividades que decorreram nessa semana foi lançado um desafio aos nossos alunos. Imaginarem e desenharem um logótipo que refletissem as temáticas a concurso, a saber, a Europa, o Comenius, os Clubes Europeus, o eTwinninge o voluntariado.

Recebemos propostas muito variadas, o que desde logo nos agradou bastante. Após a realização de uma seleção, segundo os critérios do regulamento, submetemos a candidatura dos trabalhos que melhor se enquadravam no espírito do concurso de postais.
Passaram alguns meses, e foi com agrado que nos foi comunicado a aceitação a concurso dos trabalhos elaborados pelos nossos alunos. Por todo o país, muitos estabelecimentos de ensino percorreram as mesmas etapas. É então chegado o momento de todos os trabalhos estarem expostos onlinee sujeitos ao escrutínio de todos quantos queiram participar nesta votação.
Para votar basta consultar o álbum online disponível na seguinte endereço…


… e clicar na estrela correspondente ao postal ou postais que mais vos agradar.
Mais uma vez, o nosso obrigado a todos os alunos que participaram em mais esta iniciativa escolar de caráter europeu.

Luís Sousa

sábado, 8 de outubro de 2011

LIGA-TE aos outros - Ano Europeu do Voluntariado 2011

Marca a diferença e... adere a este projeto!

O projeto destina-se a todos os alunos a partir do 7º ano. A ideia consiste na apresentação de propostas para resolver, através de actividades de voluntariado,  problemas locais que os próprios detetem. A AMI selecionará os três projetos mais consistentes e financiará os mesmos. (fonte;RBE)

Se quiseres saber mais informa-te aqui, na AMI



quinta-feira, 6 de outubro de 2011

PRÉMIO NOBEL DA LITERATURA

Desta vez, o Prémio Nobel da Literatura 2011 foi atribuído ao poeta sueco, Tomas Tranströmer, nascido em Estocolmo, em 1931. Conhecido pelas suas metáforas, a sua escrita recai sobre temas como a morte, a história e a memória.


Foto: Jornal "Público"


Pode ver mais, aqui no jornal "PÚBLICO"

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

7 de outubro - Dia Nacional dos Castelos


Com o início do mês de outubro chega o momento de celebrarmos mais um Dia Nacional dos Castelos (7 de outubro). Esta é uma atividade que ao longo dos dois últimos anos tem sido dinamizada pelo grupo de História e Geografia de Portugal/História. Temos conseguido uma grande participação dos nossos alunos, e por isso, espera-se que este ano consigamos mais uma semana dos castelos em grande.
Tradicionalmente (já será justo usar esta expressão) toda a atividade gira à volta da exposição de castelos elaborada pelos alunos do quinto ao sétimo ano de escolaridade. É um momento em que a criatividade e imaginação dos nossos alunos são postas à prova na construção dos ditos castelos. As regras transmitidas pelos professores são bastante simples: após alguma investigação sobre a temática dos castelos deitar mãos à obra, criando castelos feitos com os mais diversos materiais. Em relação aos materiais utilizados, há que referir uma das diretrizes orientadoras deste desafio, a reciclagem e reutilização de materiais. Este é aliás um dos lemas da nossa escola e que devemos colocar em prática sempre que possível.
Todos poderão interagir com a exposição, elegendo o seu castelo favorito e votando nele para acharmos o grande vencedor da exposição deste ano. O ato de votar, mesmo que numa simples exposição de castelos, é por si só, uma demonstração de uma certa cidadania escolar, já que todas as opiniões contam.
Nesta semana, também iremos colaborar, como habitual, com a Biblioteca Escolar. Não só através da divulgação desta atividade através do jornal, mas também apresentando um ciclo de cinema. Esta mostra de cinema terá como tema central o castelo. A nossa opção recaiu em películas que tenham caraterísticas de clássicos da História do cinema numa tentativa de poder dar aos nossos alunos uma perspetiva cinematográfica que fuja um pouco ao denominado cinema comercial atual. São propostas alternativas que esperamos levem os mais novos em busca de outros caminhos culturais que não os mais óbvios.
Durante, uma semana, o castelo, esse elemento central da nossa história e que é um testemunho vivo da nossa memória coletiva enquanto povo, será o centro da nossa atenção.

Castelo de Óbidos ao pôr do sol (Fonte: http://historialusitana.blogspot.com)
Luís Sousa


domingo, 2 de outubro de 2011

4º Encontro Comenius “Medicinal Herbs In Europe” Września, Polónia (26-30 de setembro de 2011)

 





Entre os dias 26 e 30 de setembro a cidade de Września, na Polónia, foi palco do quarto encontro do projeto Comenius“Medicinal Herbs in Europe”. Este encontro marcou o início da segunda metade do projeto. Neste momento, faltam somente duas etapas para a sua conclusão. Parece já bastante distante, o encontro que realizámos em Portugal em novembro de 2011.
Mais uma vez, quatro alunas e duas professoras, deslocaram-se além-fronteiras para representar a nossa escola. Desta feita, transportaram consigo os herbários que nos coube elaborar, que diga-se de passagem, ficaram bastante bonitos, graças ao empenho e saber científico dos professores de Ciências Naturais que nele participaram. Para além disso, também levaram as propostas de capas para o herbário e material para inserir na plataforma digital eTwinning, que, como explicámos em artigos anteriores, tem como função alojar toda a informação referente a este projeto. Estas eram as principais tarefas agendadas,e que deveriam ser concluídas neste encontro.
No respeitante às nossas alunas, ficaram responsáveis por participarem nas atividades desenvolvidas pela escola polaca, tendo sempre em mente, a importância de representar bem, não só a sua escola, mas também o seu país de origem. Mostrar a nossa simpatia e essência como povo, é algo que nunca pode ser esquecido nestas situações. Posição que elas marcaram, não só junto de todos os alunos das várias nacionalidades participantes no projeto, mas também junto dos professores, e, claro está, as famílias que simpaticamente as acolheram nos seus lares.

Uma das ruas pedonais de Września. (fonte: polandpoland.com)

Edifício da Câmara Municipal de Września (fonte wikipedia.org)



Em relação a Września, é uma cidade com cerca de trinta mil habitantes, mais ou menos o mesmo que a nossa sede de concelho, Caldas da Rainha. A sua origem remonta à Idade Média, perfazendo já mais de sete séculos de História. Não faltaram por isso motivos de interesse, dignos de serem visitados, algo a que os anfitriões polacos não pouparam esforços. As visitas estenderam-se ainda a locais como Poznań ou Toruń. Esta cidade viu nascer em 1473, um famoso astrónomo renascentista, Nicolau Copérnico, que viria a revolucionar a mentalidade europeia com a sua teoria heliocêntrica. A escola que nos recebeu presta homenagem a essa figura maior da história da Polónia, tendo sido batizada com o seu nome. Ambas as cidades encerram motivos mais do que suficientes para serem visitar. A provar isto, o exemplo de Toruń, que ostenta vários títulos e galardões como é o caso de ser considerada uma das Sete Maravilhas da Polónia, Património Mundial da UNESCO.
Aguardamos, os relatos das experiências e aventuras que as nossas alunas por lá viveram,e que certamente irão enriquecer um pouco mais todos os que frequentam este estabelecimento. Porque quando alguém regressa de viagem, e relata o que viu, sentiu e viveu, de certo modo faz com que outros possam também usufruir da sua jornada. E essa é uma das obrigações dos verdadeiros viajantes.

Luís Sousa


Vista da Praça de Toruń ao anoitecer (fonte: liraensable.org)